Skip to content

Diário da Guerra dos Porcos

por Soledad Barruti
fotos Voicot

A Argentina se debate diante de um projeto magnânimo: abrir megagranjas industriais que garantam a segurança alimentar chinesa. A China dirime sua própria crise assediada pelas pestes que obrigam a sacrificar milhões de animais e a confinar a população. O Brasil dá sua contribuição com um frigorífico no Paraná: uma nova gripe que saiu do corpo morto de um porco para o corpo de uma garota viva de 22 anos. O problema dos porcos explodiu em julho, mas há comunidades inteiras na América Latina que sofrem e combatem há muito tempo

Primeira batalha: fábricas de animais

O cheiro é penetrante, asqueroso, mas também impreciso. De longe, os galpões são paredes cobertas com tetos de alumínio e, a julgar pelo cheiro, se poderia pensar que escondem cadáveres empilhados, montes de lixo ou água apodrecida há séculos.

Mais de perto se pode ver que no topo das paredes há uma ou outra abertura para ventilação: o que está dentro deve respirar. Embora o cheiro – ácido e repulsivo – se esforce para negá-lo completamente, o que está dentro são porcos vivos. Centenas de milhares de porcos gritando como crianças sendo espancadas.

No interior, a estrutura fria é um labirinto de animais separados em um cuidadoso design industrial, organizado de acordo com técnicas aprendidas com a fabricação em série de outros produtos, como carros ou chinelos. Há centenas de milhares de porcos, separados por grupos. 

O primeiro concentra o mais valioso do lugar: as mães. Suínos de 300 quilos que estão gestando, dando à luz ou amamentando. Passam a vida inteira – três ou quatro anos – em gaiolas individuais exatamente do tamanho de seus corpos. Lá dentro comem, são inseminadas, se relacionam com seus filhotes, cagam. As porcas não são conhecidas umas das outras, embora seus ciclos reprodutivos sejam – hormônios sintéticos – sincronizados como um relógio de eficiência suíço. Isso garante a manutenção de um estoque estável de descendentes.

Outros galpões trancam leitões: centenas de milhares de porcos com a única missão de engordar no menor espaço e tempo possível. Seus currais são pisos de cimento aparados para filtrar fluidos e fezes, separados por barras. Praças ou retângulos onde muitos entram, como uma plataforma de metrô na hora do rush. Leitões e porcos são todos iguais. Eles têm a mesma idade, os mesmos quilos, a mesma cor e o mesmo pai, o que garante sua produtividade: são geneticamente idênticos. Eles não têm dentes ou caudas ou testículos porque, com uma pinça e sem anestesia, foram arrancados alguns dias após o nascimento. Assim, os produtores contêm o canibalismo que emerge do tédio e do estresse.

Espera-se que os porcos se reproduzam, resistam a essas condições e se alimentem para engordar.

A moderna fazenda de suínos é, como qualquer outra fábrica, uma linha de montagem. Uma máquina superlotada de animais tratados como insumos e, para evitar que eles falhem, também tratada com outros insumos, como antibióticos, antivirais e ansiolíticos. Se não se fossem medicados, estariam doentes, não se reproduziriam, e não chegariam vivos ao matadouro.

Adobe Stock

Mas além da crueldade deste capítulo do agronegócio, criar total global de 667,6 milhões de porcos é um perigo.

Porque é um terreno fértil para novas doenças: a superlotação e a imunidade enfraquecida pelo estresse e a seleção genética desses males leva a vírus que são naturalmente alojados em seus organismos para sofrer mutações e podem passar para humanos, gerando novas doenças zoonóticas, como Covid-19.

Porque esse sistema produtivo está levando à extinção de antibióticos cruciais para a saúde humana, como penicilinas e tetraciclinas: nos incubatórios são aplicados em quantidades misteriosas, que os produtores mantêm em sigilo.

Porque representa um consumo excessivo de recursos: para gerar um quilo de carne são necessários seis mil litros de água e seis quilos de grãos.

Porque, para sobreviver, a indústria precisa de outras indústrias, também destrutivas: monoculturas tóxicas de soja e milho, que adoecem populações inteiras e avançam sobre florestas, e montanhas nativas.

Porque a produção em massa de suínos é altamente poluente. Cada um dos 667,6 milhões de suínos gera cerca de 15 quilos de cocô e vários litros de urina por dia.  São milhões de piscinas olímpicas de lixo.  Reservatórios avermelhados localizados nas proximidades das fazendas; de onde vem esse cheiro impossível de esconder (e de respirar).

Os empresários rurais buscam lugares remotos para instalar as megagranjas. Lugares que nos mapas de satélite aparecem verdes como florestas ou marrons como desertos e montanhas. Lugares que, para as empresas, são o nada.

Mas o nada não existe. 

Aconteceu no deserto florido do Atacama, no Chile; acontece nas selvas com cenotes de Yucatán, no México; acontece nas cordilheiras Boyacá na Colômbia e nas colinas de Salta, na Argentina: as fazendas foram montadas e destruíram o local. Mas também conheceram pessoas que saíram para defender seu direito ao ar limpo, à água limpa, à saúde e a uma vida digna. Uma batalha desigual e urgente para colocar em discussão até que essa forma produtiva seja eliminada, junto com o desenvolvimentismo em geral que nos empurra essa crise civilizatória que nos isola e afoga.

Segunda batalha: fábrica de pandemias hediondas

Julho foi o mês do porco. 

Da China, o anúncio de um novo vírus zoonótico com potencial pandêmico sacudiu a um mundo que não termina de emergir dos desastres nos quais se afundou com a Covid-19. Ao mesmo tempo, o Ministério de Relações Exteriores da Argentina comunicou que estava assinando um acordo com o país asiático para instalar aqui, no sul da América do Sul, uma quantidade ainda imprecisa de megagranjas suínas que garantam a segurança alimentar, hoje em crise por essa e outras pestes. 

“Não queremos nos tornar uma fábrica de suínos para a China ou uma fábrica de novas pandemias”; “não às falsas soluções” foi o pedido feito por intelectuais, profissionais de diversas disciplinas e sociedade em geral através de um manifestou que viralizou nas redes sociais.

Dois dias depois, o Brasil confirmou a transmissão de um novo vírus que   adoeceu uma mulher de 22 anos, uma funcionária de um frigorífico de suínos no estado do Paraná.

A questão é uma bomba-relógio: com países latino-americanos quebrados pela pandemia, o agronegócio global está alinhado em busca de territórios saudáveis. As classes políticas, sem senso de olfato pelos infortúnios que vêm com esses esforços, acreditam – mais uma vez – que há uma possível solução para a pobreza. “Investimentos, novos circuitos de produção, grandes operações de fabricação em áreas onde não há nada”: é assim que é vendido, por isso é comprado. Sem olhar ou cheirar o que vem com ele. 

Depois dos vírus, “o olfato deve ser uma das coisas mais subestimadas por aqueles que avaliam esses tipos de projetos. No entanto, é uma forma séria de contaminação. Pode levar a dores de cabeça, vômitos, estresse crônico, ansiedade, depressão”, diz Jimena Ricatti, médica argentina domiciliada na Itália, neurocientista e pesquisadora minuciosa dessa relação pouco clara que há entre o que percebemos com nossos sentidos e o efeito que isso tem em nossa saúde. Ricatti – quarenta e pouco, morena com pele muito branca e gestos suaves, mas palavras muito firmes – me explicou que “a exposição a uma substância com um intenso mau odor é tão grave que pode até ser usada para fins militares”.

Por mais imaterial que possa parecer, um odor é uma soma de compostos voláteis que, portanto, vêm de uma fazenda de porcos, são derivados de matéria fecal, alimentos, células de pele animal, fungos, poeira e endotoxinas bacterianas. “Esses compostos têm contato direto com os neurônios que fazem parte do epitélio olfativo e com as terminações do nervo trigêmeo, duas portas para o sistema nervoso central”, diz Ricatti, de Verona. “Para que não reste nenhuma dúvida: o que sentimos pode afetar diretamente os neurônios cerebrais.” Afeta e até causa doenças neurodegenerativas.

Amônia, aldeídos, metano e sulfetos de hidrogênio são algumas das 300 substâncias voláteis que foram encontradas em estudos de fazendas suínas. Um caminho (hediondo) que também leva a doenças crônicas. “Uma porcentagem significativa de trabalhadores em fazendas suínas sofre de irritação ou doença pulmonar crônica. Também irritação ocular, pele seca e dores de cabeça”, explica um artigo publicado pela médica Angela Prado Mira, do Hospital Geral de Albacete, na Espanha; um país que é apontado como exemplo a seguir para quem quer ser incentivado a expandir as fazendas industriais de suínos enquanto esconde um desastre na saúde pública e em territórios inteiros regados pelos resíduos gerados por essas fazendas.

Terceira batalha: territórios roubados

“Façam pressão, que não deixem se instalar”, diz Mauricio Romero em sua casa em Tibaná, Colômbia, quando lhe conto sobre o plano do governo argentino de abrir novas fazendas industriais para a China. Estabelecimentos que serão instalados em províncias “onde não há nada”. Lugares semelhantes a este que Romero me mostra através de seu celular, no município a duas horas de Bogotá.

Mauricio Romero é um homem afável e risonho de 40 anos. Nasceu entre montanhas verdes, frias e úmidas; foi vereador três vezes; em seu tempo livre, tira fotos de pássaros e clareiras de água. Um homem que não quer deixar sua terra, como tantos fizeram ao seu redor quando em sua cidade rural a vida se tornou impossível: hoje, em Tibaná, há apenas nove mil pessoas e 25 mil porcos. 

Alguns anos atrás, desde seu trabalho no governo local, Romero travou a batalha para remover mega fazendas para devolver à comunidade sua digna vida e possibilidades de um futuro melhor. “Tibaná é um lugar muito agradável onde gostamos de ter uma vida tranquila e ser visitados por turistas. Até não muito tempo atrás, havia porcos por aqui, mas um ou dois por família, típicos de um lugar rural. Não essa barbárie típica da loucura.”

— O que você se lembra dessa época anterior às megafazendas?

— Olha: Eu, quando criança, respirei o vento e o frescor da natureza, hoje os meninos, olha… – ele me conta e envia pelo WhatsApp a foto que se repete todos os dias: cerca de 20 crianças entre nove e dez anos de idade, em fila no pátio, vestidas com o uniforme vermelho da escola pública de Tibaná, com o corpo curvado para baixo , entre náuseas, cobrindo o nariz e a boca

– Isso é todo dia. Estudam assim. Há quem queira que a gente se acostume a viver assim. Vocês ainda têm tempo: não deixem acontecer.

Jorge Gálvez não conhece Mauricio Romero, mas, a milhares de quilômetros de distância, na província de Salta, norte da Argentina, ele tem uma experiência igual. De sua casa de repouso no topo de uma bela colina, no Vale de Lerma, ele vê as 33 crianças da escola República da Venezuela trancadas e os professores do jardim de infância apressando a passagem dos pequenos para levá-los para a sala de aula. Olhos ardendo, dores de cabeça, choro, porque como se poderia explicar a eles que o que os deixa mal é apenas uma externalidade de um sistema produtivo? O que lhes destrói a vida e a saúde é um sistema que em universidades, congressos e programas econômicos é apresentado como um modelo de sucesso.

Há 26 anos, quando Gálvez começou a construir a casa, sonhava com um espaço tranquilo para quando parasse de exercer a advocacia. “Mas há dois anos um grupo de empreendedores sem qualquer alvará ou impacto ou qualquer coisa construiu a granja com 4.000 porcos. E, desde então, isso é um inferno”, diz. Ele tem 61 anos, dedica-se a defender direitos, mas nada pode fazer porque a corrupção ganha tudo. 

A unidade que Gálvez me mostra por vídeo é igual à de todo mundo, com galpões e pilhas de lixo. Embora essa região na Argentina tenha, como cada território, sua particularidade. Montanhas baixas da cor de um pôr do sol tranquilo; a canção de mil pássaros que, por vezes, cobrem suas vozes; plantas verdes tímidas que não recebem muita chuva. No Vale de Lerma, a água é escassa e os resíduos da fazenda são despejados em córregos. Nas encostas descem águas contaminadas que logo serão irrigação, também porque os incubatórios usam merda como fertilizante e polvilham-na com poderosos irrigadores. Gálvez queria saber os detalhes, então, encomendou estudos e encontrou bactérias e nutrientes perigosos, como fósforo, nitrito e nitratos que envenenam a água, e com ela qualquer um que a beba. Peixes, pássaros, pessoas. 

“Olha, aqui é minha casa, aqui é a escola, e você vê lá? 2.000 metros acima da colina, lá estão eles, os donos desta fazenda. A salvo do cheiro e de ver tudo isso que vemos.” Gálvez fala com raiva e com um pedido que ninguém ouve: “Por favor, eles estão arruinando ecossistemas inteiros e colocando em risco a vida dessas crianças, de toda a cidade e de toda Lerma, mais de vinte mil pessoas que certamente estão bebendo água contaminada.” 

Atacama é o deserto mais árido do mundo. Localizado no norte do Chile, também é um espetacular observatório estelar e um lugar com um fenômeno único: uma floração maciça que cobre os solos com suspiros lilás, piernas de guanaco, don Diegos de la noche, lírios e orelhas de raposa. Um lugar onde há uma província chamada Huasco, dentro de um povoado chamado Freirina, que foi o enclave da maior mega fábrica de porcos do mundo. Uma aldeia de cerca de seis mil pessoas que compartilharam suas vidas por alguns anos com dois milhões e meio de animais trancados para produzir carne. Carne que seria vendida para a China. 

Para moradores como Andrea Cisterna, uma mulher que agora tem quarenta anos e orgulhosamente se define como camponesa, a fazenda suína lhe prometeu tudo: trabalho, carne barata e prosperidade. Mas em particular o que a empresa deixou foram alguns empregos precários, milhões de moscas e roedores, água esgotada, centenas de caminhões perturando suas estradas comunitárias, as flores mágicas quebradas e o espírito guerreiro de pessoas como Cisterna, feito uma chama viva. 

“Nós nos organizamos em assembleia, em 2012. Nós os expulsamos, e eu acho que todo mundo tem que fazer isso porque ninguém merece viver como eles mandam. Esses empreendimentos brincam com as necessidades das pessoas, destroem tudo e não deixam nada”, diz Cisterna, em tom suave e curto, porque é assim que ela fala, a mulher que parou a estrada, apareceu em todas as manifestações e permaneceu em insurgência até alcançar o que ninguém esperava: um dos triunfos mais poderosos e inesperados da resistência popular na América Latina: expulsá-los. E assim o povoado ficou conhecido como Freirina Rebelde, retratado em dois documentários. Protagonista dessa história, Cisterna resume: “Você tem que tirá-los antes que eles entrem porque então é incontrolável: essas empresas só se preocupam em crescer e ganhar dinheiro. Em nome disso, eles não têm problema em destruir a própria vida.” 

Indignação. Este é o nome da organização civil que trabalha em defesa das comunidades e contra as fábricas de suínos em Yucatán, no sul do México. O estado-paraíso é um enclave de pântanos, praias e cenotes, que são reservas de água encravadas em buraco profundo ou dentro de uma gruta, preservando a beleza e a flora e a fauna ameaçadas de extinção. Nas mãos dos apicultores maias indígenas, os cenotes são reservas milenares de água doce – as maiores de todo o México. Eles apostaram no turismo de baixa escala, enquanto os empresários suínos, em poucos anos, chegaram a esses lugares paradisíacos com 2 milhões e 200 mil suínos.

As fazendas se espalharam escuras, envolvendo os animais em galpões entre pântanos, em lugares habitados por cinco, dez, vinte pessoas da mesma família a quem ninguém consultou. Eles descobrem sobre o novo negócio quando a paz acaba. Quando as abelhas morrem, as moscas aparecem, as árvores não dão mais frutos ou secam. Quando a água é manchada com a cor avermelhada do sangue com cocô que flui das fábricas. Quando são invadidos por um cheiro que gruda nos olhos, na garganta e no estômago nauseado, causa-lhes diarreia e dor de cabeça. Um cheiro abrasivo como o ácido e a dor de que é composto. 

Em Yucatán há triunfos e derrotas. José May liderou em Homún a resistência que em apenas dois meses conseguiu expulsar uma fazenda com 50 mil porcos. “Fizemos do jeito que somos, bravamente e sem medo, porque temer é viver como eles querem”, diz Joseph de sua comunidade, com o sinal telefônico instável e passando por cima das palavras para conseguir nomeá-las. 

“Aqui coletamos muitas informações sobre o que essas fazendas estão causando à natureza”, diz Jorge Fernández, advogado da Indignación, representante das comunidades em luta, um homem determinado. “Este é terrível, um negócio completamente inviável, não importa como você quer apresentá-lo. Não se sabe o impacto que é preciso porque ninguém foi perguntar. Mas posso garantir que as fazendas de suínos causam a mesma coisa em todo o mundo”, diz ele, e me coloca em contato com Matilde Xip. Também maia, também apicultora, corajosa e determinada. “Primeiro foram instalados duas fazendas de 40 mil animais, depois dobraram sua capacidade: agora há uma fazenda de 360 mil animais”, conta, olhando para a câmera, sem hesitação e acompanhando toda a história com provas. Com paisagens danificadas, árvores mortas, desaguadeiros pretos. Matilde Xip também mostra sua terra antes: a vida quando ela estava viva. 

Quarta batalha: a última contenda

Há uma maneira de fazer isso direito? Continuar a espalhar fazendas industriais no ritmo exigido pelo hiperconsumo da carne e pelos problemas que surgem nos países epicentro desses negócios, como a China? A questão torna-se quase filosófica: existe alguma maneira de fazer bem algo que começa a partir de um paradigma que está errado e nega coisas óbvias, como o fato de que os animais estão vivos e sentem? É possível quando os antibióticos estão perdendo sua utilidade, os vírus estão nos matando e levando a uma falência catastrófica; a poluição que causam é muito cara, as terras de sacrifício estão sempre cheias de vida, os poucos empregos oferecidos são marginais, precários e perigosos? 

Para estender a dieta proposta hoje pelo sistema industrial a todos os habitantes do mundo seriam necessários 14 planetas: só assim haveria grãos e água suficientes. No entanto, o produtivismo nem sequer questiona isso, o mais óbvio. 

Andrea Cisterna, Mauricio Romero, Jorge Gálvez, José May e Matilde Xip não são cientistas nem políticos. Eles não projetam modelos de negócios em programas de laboratório ou projetos de campo experimentais. Mas, longe da fantasia sobre a qual o sistema econômico atual agoniza, são aqueles que sofrem as consequências de uma indústria cruel com animais, humanos e territórios. São camponeses, pequenos agricultores, apicultores, desenvolvem turismo de pequena escala e são habitantes dos locais onde mega fazendas foram instaladas. Devemos ouvi-los para exigir: consulta popular, consenso social e a resposta a perguntas cada vez mais urgentes: como queremos viver? Sacrificar o quê? Com que propósito?